A outra Margem!

O realizador Luís Filipe Rocha questiona o lugar da diferença, em "A outra margem". O filme, rodado entre o Alentejo e Amarante...
Um travesti e um jovem com trissomia 21 protagonizam o filme





Festival Temps d'Images 2007









O Festival Temps d'Images está de regresso para mais uma edição, de 30 Outubro a 15 de Dezembro, realizando-se em diversos espaços de Lisboa.
Sob o mote "A Imagem encontra o Palco", a aposta da programação continua a ser em projectos que fazem o cruzamento entre as artes cénicas e as artes da imagem.
Mais de 20 criadores e companhias das áreas do cinema, teatro, dança, música e artes plásticas passam pelos espaços do Museu do Chiado, CCB, Museu Colecção Berardo, Teatro da Politécnica, Teatro Municipal Maria Matos, ZDB Negócio, Lux, Eira 33 e Culturgest.

O lançamento do livro "A Arte da Performance: Do Futurismo ao Presente", de Roselee Goldberg (22h30), seguido de um concerto de The Legendary Tiger Man (24h00) inauguram o festival no Lux Fragil.

Destaque para "I Was There", espectáculo de dança de Abraham Hurtado em estreia nacional no Teatro Municipal Maria Matos (dia 31 às 21h30), apenas com lugar a mais uma representação no dia seguinte à mesma hora.

Anri Sala apresenta a sua primeira exposição individual no Museu do Chiado, com uma dos seus mais recentes trabalhos de vídeo e fotografia e que conta com a estreia do filme "Long Sorrow - Um Requiem do Fim dos Sonhos".

O espaço Estaleiro, inaugurado por Cláudia Varejão e Sandra Faleiro com "A Sós", no café-concerto do Teatro Municipal Maria Matos (23h00), dá lugar aos mais diversos espectáculos, multiplicados em várias representações de nomes como Vera Mantero, Verónica Conte ou Maria de Medeiros e Daniel Blaufuks.

Ana Tamen e Pedro Sena Nunes ocupam o Teatro da Politécnica com a peça "Da Boca Para Dentro", de 31 de Out. a 4 de Nov. às 21h30.

O festival encerra com o regresso do cinema num ciclo da Cinemateca Portuguesa dedicado à coreografia cinematográfica, a decorrer de 10 a 15 de Dezembro.

PUBLICO.PT

Exposições Fotografia/Pintura em Aveiro








Exposição "Rumar a Mar Alto"

12 de Outubro a 12 de Novembro
Teatro Aveirense

A exposição "Rumar a Mar Alto" encontra-se integrada nas Comemorações do Bicentenário da abertura da Barra de Aveiro.

O espaço do Teatro Aveirense apresenta-se como “palco” de variadas formas visuais de expressão artística contemporânea, passando pela pintura, o desenho, a instalação, a fotografia, ... A presente exposição aborda a produção de um conjunto de artistas promissores cujo trabalho tem pretensões para conquistar cada vez maior visibilidade no panorama artístico.

Grande parte dos envolvidos teve formação na Faculdade de Belas Artes Universidade do Porto, podendo tal reflectir a existência de cumplicidades no discurso estético. São nomes como André Alves, Ana Oliveira, Dalila Gonçalves, Daniela Fernandes, Dora Moura, Inês da Gama, João Silva, Maria Sottomayor, Patrícia Geraldes e Sofia Pinheiro.

O que está patente consiste num grupo de respostas diversificadas à proposta de exposição colectiva que tem como temática “o Mar”.

Organização: APA - Administração do Porto de Aveiro e Teatro Aveirense, com a participação da Escola de Belas Artes do Porto













Exposição de Pinturas “Percuso(s)” de Artur Fino

27 de Outubro a 18 de Novembro
Galeria da Capitania
Terça-feira a Domingo, das 14.00 às 19.00 horas

A exposição será composta por duas grandes temáticas: “Universos” com 16 obras; e “Figuras” com seis trabalhos de pintura.

Segundo o artista, Artur Fino, “creio que um tanto utopicamente, tenho percorrido com assinalável determinação um trajecto de permanente procura de uma estética alternativa, assente na forma. Forma esta a que exijo algo transcendente, em que ela não se limite a embarcar numa mera osmose ou fundição com o incontornável conteúdo, e da qual reclamo que vá mais além desse pressuposto, para que possa ser, em si mesma, o próprio conteúdo, isto é, a substância. Forma, pois, liberta de todo o tipo de dependência ou subalternidade. Rejeitando definitivamente o supérfluo e o acessório, enfrentando o calculado risco que esta opção implica, persigo a resolução que determine a direcção que me permita alcançar a tão apetecida essencialidade.

ópera

Ópera "Três Vinténs" de Kurt Weil
31 de Outubro pelas 21:30
Teatro Aveirense

Festivais de Outono

O sucesso da “Ópera dos Três Vinténs” prova que a criação e a realização, deste novo género musical chegou no momento ideal e que veio de encontro à expectativa do público que ansiava pela renovação do seu género preferido de teatro.

Com esta ópera conseguiu-se chegar a um público mais alargado que, ou desconhecia o género, ou que pensávamos não ser possível conquistar, para além daquele que habitualmente frequenta o concerto ou a ópera.

Mais informações: www.teatroaveirense.pt

paichão...mãetecto!!


















Adote um coração abandonado!
Mas não queira tornar-se dono dele...
A supressão da liberdade é pior que o abandono!

Eu tenho muitos amigos e sou fiel a todos eles... E parece que ninguém se espanta com tal afirmação. Essa minha múltipla fidelidade é aceite naturalmente.
Aliás, espera-se que assim seja: temos realmente que ser fiéis a todos os nossos amigos...
Mas quando eu digo que tenho muitos amores - e que sou fiel a todos eles - algumas pessoas se espantam... Dizem que isso é impossível!!! Não conseguem entender-me. Acham até que, sendo assim, pareço contraditório!!!
Ora, essas pessoas cometem um erro muito grave: confundem fidelidade com exclusividade sexual... Chegam ao cúmulo de dizer que só se pode ser fiel a um amor...
Então eu pergunto:
Se é possível ser fiel a vários amigos, por que não se pode ser fiel a vários amores?


Pessoas desprovidas de raciocínio lógico e sem saber o que é bom senso inventam para as suas vidas uma verdadeira tragédia... Atordoam a sua própria existência com intrigas, montam um palco enorme de horrores e desgraças, criam várias ilusões de sacrifício... e entram em cena...
E às vezes querem a nossa participação nessa peça...
Eu, de minha parte, nem na platéia!!!
http://mude.blogspot.com/- Edson Marques

Mude...





Mude,
mas comece devagar,
porque a direcção é mais importante que a velocidade.
Não faça do hábito um estilo de vida.
Tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo sabor,
o novo prazer, o novo amor.
(...)
Tente.
Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.
(...)
Só o que está morto não muda !
Edson Marques

Another weekend

E como nem só de festas é feita a vida....
este fim de semana foi passado a trabalhar!!





Trabalho compilatório sobre o aquifero Cretácico de Aveiro.

Escandaloso...

Cão morre de fome em exposição









Um artista da Costa Rica(Guillermo Habacuc Vargas) pôs um cão vadio que foi buscar a um bairro da lata em exposição na Nicarágua e deixou-o morrer à fome e à sede.
Disse que estava a pôr à prova a hipocrisia das pessoas, mas está a ser alvo de forte contestação.

Sem água e sem alimentos, o cão morreu, na exposição, à vista de toda a gente. Maria do Céu Sampaio, presidente da Liga Portuguesa dos Direitos do Animal está indignada. Afirma que "isto não é arte, mas é única e simplesmente tortura num animal que não se pode defender".

O cão morreu de fome à vista da frase "tu és aquilo que lês"... escrita com biscoitos para cão na parede da galeria de arte.

Exposições de arte contemporânea "o chocar pelo chocar, o murro no olho, e arte baseada na provocação".

"O animal transformou-se em centro das atenções por estar num local onde as pessoas querem ver arte, mas ninguém ligaria se ele estivesse a morrer de fome nas ruas. Ninguém libertou o cão, ou lhe deu de comer, ou chamou a polícia. Ninguém fez nada", disse o autor ao jornal “Nácion”.

Maria do Céu Sampaio rejeita a ideia de Vargas estar a actuar em defesa dos direitos dos animais, considerando-o "um medíocre, que não é nenhum artista, e quis chamar a atenção para si", promovendo-se à custa do sofrimento de um animal.

Guillermo Vargas foi seleccionado para representar o seu país, a Costa Rica, na bienal de arte centro-americana de 2008, a realizar nas Honduras.

A decisão suscitou fortes reacções e deu lugar a uma petição na Internet, com mais de 92 mil assinaturas, a exigir que Vargas não seja aceite na exposição.

Nota: pode-se aceder à petição em:

http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html

Extase...













Filme «Autografia», realizado por Miguel Gonçalves Mendes.
Entrevistas feitas a Cesariny... um documentário sobre a sua vida e obra!!


Mário Cesariny de Vasconcelos (Lisboa, 9 de Agosto de 1923 — Lisboa, 26 de Novembro de 2006) foi um pintor e poeta, considerado o principal representante do surrealismo português.
Mário Cesariny adopta uma atitude estética de constante experimentação nas suas obras e pratica uma técnica de escrita e de pintura amplamente divulgada entre os surrealistas designada “cadáver esquisito”, que consiste na construção de uma obra por três ou quatro pessoas, num trabalho em cadeia criativa em que cada um dá continuidade, em tempo real, à criatividade do anterior, conhecendo apenas parte do que este fez.















Com este documentário pretende-se retratar não o poeta e pintor Mário Cesariny mas sim a sua vida, o seu percurso e a sua individualidade.
Como espaço de acção privilegiou-se o seu quarto, por ser este actualmente a base da sua criação e da sua intimidade. É aqui que resiste tudo o que não se perdeu.

Sendo este um trabalho que vive sobretudo das questões colocadas e das respectivas respostas, optou-se por assumir como fio condutor um dos seus poemas - "autografia" - que servirá de mote, através da sua análise para as questões intencionadas, de modo a que o filme assuma um carácter intimista, estabelecendo-se um diálogo entre quem o vê e quem é retratado.
Neste documentário existem vários planos: o de análise do poema; o das respostas; o do seu trabalho e o da nossa própria interpretação; uma espécie de reciclar de citações e de conteúdos que acabam por nos permitir uma aproximação a Mário Cesariny.

many people...



Há alturas na vida em que so me apetece conhecer gente!!!

New weekend

Festas, festas, festas...
3 dias de eletro-minimal e muita good vibe...

Movies

Cheguei a Portugal e fui brindado com 2 filmes brutais!!

FADOS


A palavra fado vem do latim fatum, ou seja, "destino". De origem obscura, terá surgido provavelmente na primeira metade do século XIX.
Actualmente a explicação mais aceite, pelo que diz respeito ao fado de Lisboa, é de que este teria origem nos cânticos dos Mouros, que permaneceram no bairro da Mouraria, na cidade de Lisboa após a reconquista Cristã. A dolência e a melancolia daqueles cantos, que é tão comum no Fado, estaria na base dessa explicação.

Há ainda quem aponte na sua génese uma síntese de géneros musicais, devido a abundante presença de outros povos em Portugal, e à altura de grande popularidade em Lisboa, como por exemplo o Lundu e a Modinha.
A primeira cantadeira de fado de que se tem conhecimento foi Maria Severa.

Carlos Saura encerra, com o filme “FADOS”, uma trilogia dedicada às três formas de expressão musical urbanas do século XX. Depois de “Flamenco” e “Tango” – este último, candidato ao Óscar da Academia de Hollywood de Melhor Filme Estrangeiro, em 1998 –, Carlos Saura recolhe, agora, a mais pura expressão do povo português, dando-a a conhecer a todo o mundo, como cartão de visita da nossa identidade cultural, sob a forma mais mediática: o cinema com: Carlos do Carmo, Mariza, Camané, Argentina Santos, Lura, Caetano Veloso, Chico Buarque, Miguel Poveda, Ribeiro, Ana Sofia Varela, Carminho, Cuca Roseta



Shortbus




Vários jovens de Nova York encontram-se num salão infame e underground chamado Shortbus, onde se deparam com situações cômicas e trágicas envolvendo amor, música, política e sexo. Sofia é a terapeuta sexual que nunca teve um orgasmo e por isto fingiu durante anos para seu marido, Rob. Ela conhece Severin, uma dominatrix que tenta ajudá-la. Entre os clientes de Sofia está o casal gay James e Jamie, que começa uma relação aberta com Ceth. O filme sugere uma forma de diminuir a pressão pós-ataques terroristas de 2001 e assim reconciliar melhor as pessoas. A trilha sonora leva a assinatura do roqueiro ascendente Michael Hill e do consagrado grupo de indie rock de vanguarda Yo La Tengo, de Nova Jersey.

Eurodisney

Há momentos em que não há mesmo palavras para descrever o bem que se está!!!
Esta viagem foi um desses momentos...
Muito boooommmmmmm







Roteiro Parisience

La Defence





Torre Eiffel



musée Branly















Louvre










Seine










Notre Damme












Perlachese