Algumas curiosidades sobre o Natal

Até ao ano 350 d. C., os cristãos não celebravam o Natal. Nesta data os romanos prestavam homenagem ao deus Saturno e os germânicos e os celtas faziam as grandes festas do Solstício de Inverno.
Foi o Papa Júlio I que mandou fazer um estudo rigoroso sobre o nascimento de Cristo. O primeiro Natal cristão, celebrado a 25 de Dezembro, ocorreu no ano 350 d. C.

Quando surgiram os presépios no Natal?
Só na Idade Média, em 1223, S. Francisco de Assis terá montado, em argila, o primeiro presépio do mundo. Mais tarde os franciscanos espalharam este costume.

E a árvore de Natal?
Por esta altura do ano, em Dezembro, os egípcios colocavam em casa galhos verdes de palmeiras no dia mais curto do ano, como símbolo de triunfo da vida sobre a morte.
Os romanos enfeitavam árvores em honra de Saturno e os druídas celtas decoravam carvalhos velhos com maçãs douradas.

A primeira referência a uma “Árvore de Natal” surgiu em 1510 no início do século XVI, na Lituânia. Martinho Lutero terá sido o primeiro a colocar uma estrela brilhante no cimo de uma árvore de Natal decorada com velas.
A tradição espalhou-se da Alemanha para o resto do mundo.
Em Portugal, o Rei D. Fernando II (duque alemão casado com a rainha D. Maria II) fez pela primeira vez uma árvore de Natal. Mascarou-se de S. Nicolau (Pai Natal) e colocou num dos salões do Palácio da Pena, em Sintra, um pinheiro enfeitado com velas, bolas e frutos. Estávamos no ano de 1844. A rainha ficou encantada e os seus filhos deliraram!

Porque se trocam presentes na Natal?
Tudo indica que a tradição da entrega de presentes no Natal surgiu graças aos Reis Magos que ofereceram presentes ao Menino Jesus (ouro, incenso e mirra).
Os romanos trocavam velas de cera e estatuetas ou bonecos de terracota nas festas de homenagem ao deus Saturno.
O costume de colocar presentes debaixo da árvore de Natal surgiu no reinado de Isabel I (filha de Henrique VIII) na Inglaterra, no século XVI.

Quando surgiu o Pai Natal?
O Pai Natal foi inspirado em São Nicolau , arcebispo na Turquia, que viveu no século IV. São Nicolau costumava ajudar as pessoas, colocando um saco com moedas de ouro na chaminé das casas.
Diz a lenda que o Pai Natal mora na Lapónia, Finlândia. Na noite de Natal, percorre o mundo inteiro no seu trenó puxado pelas renas voadoras, Rodolfo, Corredora, Dançarina, Empinadora, Raposa, Cometa, Cupido, Trovão e Relâmpago para distribuir presentes às crianças de todo mundo.

Para saberes mais sobre o Natal e Tradições:
http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/significado_natal.htm

http://www.publico.pt/Sociedade/o-nosso-natal-e-como-o-dos-principes-do-seculo-xix_1472199


Publicada por Museu Nacional de Arqueologia

"Paisagem artística" na Zimbreira - Mação



Alguns já devem ter tido oportunidade de observar as grandes bandas de manga Plástica Branca no Castelo Velho da Zimbreira, aqueles que ainda não viram poderão ficar curiosos para ir ver.Este projecto “Paisagem Artística na Zimbreira”, está inserido no programa Transformations e trata-se de uma instalação artística desenvolvida por Dagros Gheorghiu da Universidade de Belas Artes de Bucareste, Roménia, com apoio da Comissão Europeia.Entre 18 e 28 de Novembro a equipa do Museu e Dragos Gheorghiu, com a colaboração da Câmara Municipal de Mação, trabalharam em conjunto no Castelo Velho da Zimbreira para a instalação artística a grande escala. É uma instalação em que as grandes bandas de manga plástica Branca com uma dimensão de meio km, têm a intenção, não de simular mas sim de invocar as antigas muralhas do sítio arqueológico em tempos existente no castelo velho da Zimbreira.Desta forma este projecto transporta as pessoas ao passado, tendo como meio de transporte a arte contemporânea, que de uma forma muito orgânica se funde e se destaca num paradoxo na paisagem. Com esta obra artística, Mação dá mais um passo na valorização do circuito turístico-cultural do Ocreza, que terá futuras concretizações também em colaboração com a Junta de Freguesia de Envendos.

Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do TejoLargo Infante D. Henrique, 6120-721 MaçãoTlf: 241571477
CIAAR-Centro de Interpretação de Arqueologia do Alto RibatejoLg. do Chafariz nº 3, Ap. 32 2260-419 V. N. Barquinha Tlf: 249711209