Vulcões na Europa

Existem no continente europeu cerca de cem vulcões considerados activos (registaram actividade nos últimos dez mil anos), trinta dos quais no território da União Europeia. Só na Itália e na Grécia registaram-se 140 erupções desde o século XVI, apesar de ter sido na distante Islândia que um deles lançou o caos aéreo sem precedentes.


Os vulcões estão extintos em Portugal continental mas o planeta pode estar a entrar num novo ciclo geológico, com uma zona de subducção (mergulho de uma placa sob outra – no caso, da placa oceânica sob a placa continental, em cujo extremo está Portugal) a sudoeste da Península Ibérica. A actividade vulcânica poderá regressar dentro de milhões de anos.
in Correio da Manha 27 Abril 2010

voz numa pedra

Não adoro o passado
não sou três vezes mestre
não combinei nada com as furnas
não é para isso que eu cá ando
decerto vi Osíris porém chamava-se ele nessa altura Luiz
decerto fui com Isis mas disse-lhe eu que me chamava João
nenhuma nenhuma palavra está completa
nem mesmo em alemão que as tem tão grandes
assim também eu nunca te direi o que sei
a não ser pelo arco em flecha negro e azul do vento

Não digo como o outro: sei que não sei nada
sei muito bem que soube sempre umas coisas
que isso pesa
que lanço os turbilhões e vejo o arco íris
acreditando ser ele o agente supremo
do coração do mundo
vaso de liberdade expurgada do menstruo
rosa viva diante dos nossos olhos
Ainda longe longe essa cidade futura
onde «a poesia não mais ritmará a acção
porque caminhará adiante dela»
Os pregadores de morte vão acabar?
Os segadores do amor vão acabar?
A tortura dos olhos vai acabar?
Passa-me então aquele canivete
porque há imenso que começar a podar
passa não me olhas como se olha um bruxo
detentor do milagre da verdade
«a machadada e o propósito de não sacrificar-se não construirão ao sol coisa nenhuma»
nada está escrito afinal

Cesariny

Darwin Now

Dia da Terra!


O Dia da Terra foi criado em 1970, pelo Senador norte-americano Gaylord Nelson, que convocou o primeiro protesto nacional contra a poluição, protesto esse coordenado a nível nacional por Denis Hayes. Esse dia conduziu à criação da Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos (EPA).



A partir de 1990, o dia 22 de Abril foi adoptado mundialmente como o Dia da Terra, dando um grande impulso aos esforços de reciclagem a nível mundial e ajudando a preparar o caminho para a Cimeira do Rio (1992).



Actualmente, uma organização internacional, a Rede Dia da Terra coordena eventos e actividades a nível mundial que celebram este dia.





A Conferência de Cochabamba vai anunciar uma campanha para um referendo a realizar no dia da Terra, a 22 de Abril de 2011, sobre a criação dum tribunal internacional de justiça climática.

As cinco questões do referendo relacionam-se com o acordo ou o desacordo com "o abandono do modo de sobreprodução e de consumo excessivo para restabelecer a harmonia com a natureza", a "transferência das despesas de guerra para um orçamento superior para a defesa do planeta", ou ainda "um Tribunal de justiça climático para julgar os que destroem a Terra mãe".

Esta quarta feira, a jornalista Naomi Klein juntou-se aos convidados da Conferência que decorre na Bolívia e defendeu que as conclusões de Cochabamba devem ser difundidas em todo o mundo.

Outra das intervenções na Conferência foi a do teólogo brasileiro Frei Betto, que propôs a realização deste evento em cada dois anos. Frei Betto quer que Cochabamba seja a sede permanente destas Conferências sobre alterações climáticas, num reconhecimento de todo o mundo ao esforço da Bolívia e de Evo Morales por trazer o tema à primeira linha da agenda política mundial.

"Que a nova Conferência não se mude de país, porque este é o primeiro país na história da humanidade plurinacional, pluricultural e pluriespiritual governado por povos indígenas", pediu Frei Betto aos conferencistas.

Carnivoras!!




Em primeiro lugar é preciso dizer que elas não são monstros devoradores de animais. Pelo contrário, a grande maioria das espécies são pequenas e delicadas, e capturam pequenos insectos.

As plantas carnívoras são exemplos notáveis de adaptação à ambientes inóspitos. Ao longo do processo evolutivo desenvolveram a capacidade de sobreviver sob condições de stresse que a maioria das outras plantas não suportaria.
Como qualquer outra planta, as carnívoras são autotróficas, ou seja, produzem o próprio alimento transformando a energia da radiação solar em energia química, armazenada sob a forma de açúcar. Na fotossíntese, gás carbônico (CO2) e água (H2O ) se decompõem para formar moléculas de carboidratos (C6H12O6) e oxigênio (O2).

Existem armadilhas (folhas modificadas) das mais variadas formas e funcionamentos. A mais conhecida é a Dionea sp. Suas folhas formam uma espécie de “jaula” que se fecha rapidamente quando um pêlo muito fino é pressionado, agindo como um gatilho.

Atualmente, são conhecidas mais de 500 espécies de plantas carnívoras, espalhadas pelo mundo todo (exceto a Antártida). Podem ser encontradas em regiões desde as quentes e úmidas florestas tropicais, até as tundras gélidas da Sibéria, ou os desertos esturricantes da Austrália.

Eu sou detentor de dois magnificos exemplares em minha casa!!!
São magnificas caçadoras!!

@Trumps



http://www.trumps.pt

the world is mine!!!


“De génio e de louco todos temos um pouco”,

diz o ditado popular...

A verdade é que é rotina diagnosticar doenças mentais, aos génios criativos que fizeram História.

Esquizofrenia e outras psicoses são as doenças mais citadas. Newton e Einstein são dois dos exemplos mais famosos. O nosso Fernando Pessoa também consta da lista e Vincent van Gogh e Virginia Woolf foram associados à desordem bipolar.

A loucura faz parte de muitas obras de arte e pode mesmo ajudar a desenvolver a criatividade.

Antipsicóticos e dopamina

“Tem havido um avanço a nível de antipsicóticos atípicos, com menos efeitos secundários”, disse. Na fase residual da doença, os sintomas – classificados de ‘negativos’ – são frequentemente “o isolamento, a apatia, a dificuldade em planear tarefas e um nível afectivo ‘apagado’”. Já na fase aguda – onde as manifestações são conhecidas como ‘sintomas positivos’ – surgem as alucinações, as ideias delirantes, desordens no pensamento e no movimento.

Os primeiros são mais difíceis de reconhecer e podem ser confundidos com preguiça ou depressão; assim como os 'sintomas cognitivos', que afectam a atenção, certos tipos de memória e a capacidade de cálculo – sendo estes os mais incapacitantes para levar uma vida normal.

Contudo, é um transtorno psíquico tão complexo que “surge de forma insidiosa, sem que o próprio se aperceba” e o diagnóstico é “por exclusão”.Tal como muitas outras doenças mentais, acredita-se que esquizofrenia seja uma combinação de factores genéticos e ambientais. Existe tratamento (antipsicóticos e terapia psicossocial), mas não há cura e, por isso, os fármacos centram-se apenas na eliminação dos sintomas. Os medicamentos actuam na dopamina (essencialmente, devido ao excesso de dopamina na via mesolímbica e falta dela na via mesocortical) e outros neurotransmissores.
in ciencia hoje

Asteróide passa esta madrugada perto da Terra

«2010-GA6» aproxima-se a uma distância de 350 mil quilómetros, 9/10 da distância da Terra à Lua

O asteróide de 22 metros, recentemente descoberto, o «2010-GA6», sobrevoará hoje a órbita lunar e passará “muito próximo da Terra”, segundo informou a NASA.

Assim, de quinta para sexta-feira, por volta da uma hora e seis minutos da madrugada o asteróide vai aproximar-se a uma distância de 350 mil quilómetros, ou seja, nove décimos da separação entre a Terra e a Lua.


A NASA, com os telescópios instalados, detecta e segue o rastro dos asteróides e cometas que passam próximos da Terra. O programa de «Observação de Objectos próximos da Terra», da agência espacial norte-americana, mais conhecido como o ‘vigilante do espaço’, é o responsável por coordenar a descoberta destes objectos e determinar se são perigosos ou não para o planeta.

Bloco!

Vogar contra a indiferença

Projecto de Guias Voluntários em Mação

O Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, em Mação, está a desenvolver o projecto “Este Património Somos Nós!”, um projecto de Guias Voluntários para o Património de Mação, que pretende envolver a população do concelho.

Este projecto vai-se desenvolver através de dois cursos de formação, que irão capacitar os habitantes de Mação para a orientação de visitas culturais: um de Formação de Monitores Voluntários do Circuito Rupestre e o outro, de Formação de Monitores voluntários Juniores da Vila de Mação.

Os cursos terão início a 9 de Abril, no Instituto Terra e Memória, em Mação.