Don´t get me wrong!

Don't Get Me Wrong (Tradução)


Não me leves a mal
Se estou a parecer um pouco encantado
Eu vejo luzes de neon
Quando passas por mim

Não me entendas errado
Se disseres oi e eu fizer uma viagem
Em um oceano onde a lua mística
Está a brincar de destruir com a maré
Não me entendas errado

Não me entendas errado
Se estou tão distraido
Estou a pensar em fogos de artificio
Que estouram quando você sorri

Não me entendas errado
Se eu me dividir como luz refractada
Só estou viajando
Por uma milha iluminada pela lua

As vezes duas pessoas conhecem se
Aparentemente por motivo nenhum
Elas passam pela rua
De repente troveja em todo lugar
Quem pode explicar o trovão e a chuva
Mas tem alguma coisa no ar

Não me entendas errado
Se eu vier e for como moda
Eu posso ser maravilhosa amanhã
Mas inútil ontem

Não me entendas errado
Se eu cair no modo da moda
Pode ser inacreditável
Mas não vamos dizer adeus
Pode até ser fantástico
Não me entendas errado

Boom 1997-2012


Boom Festival 1997-2012, The Love For Transformation from Boom Festival Official on Vimeo.

São Gonçalinho - Aveiro

No bairro da Beira-Mar, em Aveiro, as redes lançam-se ao céu e não ao mar, para aparar cavacas doces que pagam promessas a S. Gonçalinho e são atiradas por devotos do alto da capela.


S. Gonçalinho é tido como milagreiro a tratar dos problemas conjugais de vária índole, ou mesmo a melhorar as "performances" de sedução.
Não há caso que meta medo a S. Gonçalinho, os ditames populares garantem que ...até para velhas que se sintam sozinhas arranja parceiro. Rezam as crónicas que S. Gonçalinho não fia, nem admite avarezas. Aquele que não cumprir tem de se haver com a ira do santo.

Além do inusitado lançamento de cavacas, singular também é a "dança dos mancos" feita no templo e tolerada pela Igreja, num ritual quase pagão em que homens se fazem de deficientes e cantam brejeirices enquanto bailam à roda de um banco.

via: O Público



Se fores a São Gonçalo
Trazei-me um São Gonçalinho;
Se não puderes com um grande,
Trazei-me um mais pequenino.

Ai sim, ai sim,
Ai sim, ai não;
Santo da minh’ alma,
Do meu coração.

São Gonçalo
arredai os bancos;
eu quero dançar
uma dança de mancos.
Quando os mancos
querem dançar,
que farão aqueles
que podem andar!?

Os bancos são mesmo arredados, e a súcia de folgazões, mancos de tanto beber, mimam as deformidades mais estapafúrdias, arrastando-se em círculo, enquanto o coro entoa a lengalenga. Depois pede-se desculpa... que o santo é vingativo!