PRIDE LX 2010

http://arraialpride.blogspot.com/

Ateus!

A origem da tese!

1º humano infectado com virus informático!!

Um cientista Inglês,foi o primeiro ser humano infectado com um vírus informático.
É verdade os vírus dos computadores chegaram às pessoas de carne e osso!
Mark Gasson inseriu na sua mão um chip parecido com os que se põe nos animais como p. ex. os chips para identificar os cães. Mas este chip permitia ser remotamente programado.
Foi injectado no chip com características de vírus ou seja código que tinha a capacidade de se propagar a outros chips e assim multiplicar-se tal como fazem os vírus Informáticos e humanos.

O cientista com esta demonstração alerta a comunidade para os riscos inerentes à utilização de dispositivos dentro do nosso corpo cada vez mais complexos.
Tal como os computadores em primeiro lugar, e agora os telemóveis e outros gadgets foram infectados com vírus, um ser humano com um implante, num futuro muito próximo estará vulnerável a um ataque informático.
Esta experiência faz-nos pensar duas ou mil vezes antes de inserirmos um chip no nosso corpo, tal como se anda a tentar impor na sociedade para meterem chips nas crianças para elas não se perderem ou não serem raptadas.
Será que isto é uma tentativa inocente?

Não será uma manobra para controlar a sociedade no futuro?
Implantes podem ser inevitáveis para continuarmos vivos, mas chips de localização e coisas similares, não nos fazem falta nenhuma.
É que um chip no corpo que possa ser controlado, pode fazer muita coisa, como abrir portas para vírus biológicos mortais, provocar reacções químicas que matem, ou ponham a pessoa maluca.

Vulcões em Portugal

Os vulcões existentes em Portugal continental estão extintos, mas o planeta pode estar a entrar num novo ciclo geológico, com uma zona de subducção a sudoeste da Península Ibérica, a actividade vulcânica não está excluída. "Com base na distribuição dos sismos, há quem diga que podemos estar a entrar num novo ciclo geológico, que poderá ter como consequência o vulcanismo",Agência Lusa.

Na origem do processo estará um fenómeno de subducção da placa oceânica sob a placa continental, em cujo extremo está Portugal; todavia, que a confirmar-se esta tese, "o vulcanismo apenas se manifestará dentro de milhões de anos", pois a própria subducção leva muito tempo a concretizar-se.

No continente, a actividade vulcânica mais recente tem já cerca de 70 milhões de anos e registou-se no Complexo Vulcânico de Lisboa, cujos 200 quilómetros quadrados se estendem da capital a Torres Vedras, passando por Cascais, Sintra ou Mafra (onde permanece uma chaminé vulcânica de basalto, o Penedo de Lexim).

Um vulcão é declarado extinto se não teve manifestações exteriores de actividade nos últimos 10 mil anos "e quando os estudos científicos demonstram que debaixo dele não há calor, não há magma que o possa alimentar", explicou Victor Forjaz, acrescentando que "é considerado adormecido se teve erupções recentes ou se tem, à superfície, manifestações de actividade", como fumarolas.

In Agencia Lusa.

Agua é de todos!

Sou um homem

um poeta
uma máquina de passar vidro colorido
um copo, uma pedra
uma pedra configurada
um avião que sobe levando-te nos seus braços
que atravessam agora o último glaciar da terra,
os dias e as noites deste século têm gritado tanto no meu peito que existe nele uma árvore miraculada.
...
posso ser visto à noite na companhia de gente altamente suspeita
e nunca de dia a teus pés florindo a tua boca
porque tu és o dia porque tu és
a terra onde eu há milhares de anos vivo a parábola
do rei morto, do vento e da primavera
Quanto ao de toda a gente – tenho visto qualquer coisa
Viagens a Paris – já se arranjaram algumas.
Enlaces e divórcios de ocasião – não foram poucos.
Conversas com meteoros internacionais – também, já por cá passaram.
Eu sou, no sentido mais enérgico da palavra
uma carruagem de propulsão por hálito
os amigos que tive que assombrei as ruas por onde passei uma só vez
tudo isso vive em mim para uma história
de sentido ainda oculto
magnífica, irreal
como uma povoação abandonada aos lobos
lapidar e seca
como uma linha férrea ultrajada pelo tempo
é por isso que eu trago um certo peso extinto
nas costas
a servir de combustível
e é por isso que eu acho que as paisagens ainda hão-de vir a ser
escrupulosamente electrocutadas vivas
para não termos de atirá-las semi-mortas à linha
E para dizer-te tudo
dir-te-ei que aos meus trinta anos de existência solar estou
em franca ascensão para ti O Magnifico
na cama, o espaço duma pedra em Lisboa-Os-Sustos
e que o homem-expedição de que não há notícias nos jornais nem
lágrimas à porta das famílias
sou eu meu bem sou eu partido de manhã encontrado perdido entre
lagos de incêndio e o teu retrato grande!

adaptado de M. Cesariny

BOOM 2010: CELEBRATE NOW. WE ARE HERE, WE ARE NOW, WE ARE ALL ONE.

From a small tribe in Ethiopia that trekked across the Planet to Greek democracy; from Buddha and Christ to modernity’s promise of utopia – mankind has been epitomized by a series of grand narratives, each evolving beyond the one that came before.

Transition was not always easy. Even when we regressed - bubonic plagues, the dark hour of the medieval age - there was always the unspoken assumption that we will persist…
Then after the Holocaust and Hiroshima freedom came in the 1960s as a bird that brought peace and love, community and sharing, art and the hope that the world could change.
And just as our spiritual house was beginning to spread throughout the tribes of the world, ocean levels rose, glaciers melted, animals became extinct…
Human adventure is reaching its climax: we are in peak oil, peak water, peak food, peak exploitation, peak speculation, even… peak time.
So we must build a new era. We are in the peak of need for an era of universal culture, where boundaries are dissolved and hyper-connected people transform the idea of time and space.

Boom Festival. We are all one in the universal culture. We have been living the new era when the tribes gather together every two years in the August full moon.
Thousands of people from around the world discover themselves through integral expressions of awareness, knowledge and joy. Together we manifest a new peak... the peak of collective consciousness, the peak for change.

vai, mas volta!!!

Tecnicas levantamento Arte Rupestre

MUSEU DE ARTE PRÉ-HISTÓRICA DE MAÇÃO ENTRA NA REDE PORTUGUESA DE MUSEUS

O Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, de Mação, recebeu ontem, dia internacional dos Museus, o certificado de credenciação da Rede Portuguesa de Museus. O Presidente da Câmara Municipal, José Saldanha Rocha, e o Director do Museu, Luiz Oosterbeek, receberam das mãos do Secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, o diploma e uma placa comemorativa.

Este reconhecimento do Museu decorre, em especial, das dinâmicas que envolvem por um lado o conjunto da população de Mação e, por outro, o Instituto Politécnico de Tomar. O Museu, que em 2009 acolheu mais de 15.000 utilizadores, é hoje um centro de estudos e de formação avançada em arqueologia, envolvido em programas de pesquisa e de gestão cultural em diversos países da Europa, América do Sul, África e Ásia. Redes internacionais, cursos de Mestrado e Doutoramento (do IPT, UTAD e diversas universidades europeias), serviços educativos inovadores centrados na didáctica da tecnologia (Andakatu), programas museográficos inovadores no domínio das tecnologias digitais e da acessibilidade, são algumas das dimensões do Museu, que também se encontra em processo de acreditação internacional, no âmbito do programa HERITY. Mas o forte empenho e dedicação de comerciantes, lojistas, voluntários e da população de Mação em geral, explicam também o grande impacto económico do Museu, que representa mais de 20% do volume de negócios do sector terciário em Mação e contribuiu para a fixação em Mação de várias dezenas de jovens nos últimos anos.

A Rede Portuguesa de Museus é uma importante rede nacional, que se encontrava fechada a novas adesões há vários anos, desde antes da reabertura do Museu. Com Mação, entraram neste dia mais nove museus do País, com os quais Mação irá reforçar a sua dinâmica de intercâmbios nacionais.

Mação regressa ao Médio Tejo

(© Jornal O Templário, em 13-05-2010 11:41, por Jornal O Templário)


A reintegração de Mação na sub-região do Médio Tejo foi aprovada por unanimidade na Assembleia da República

O Parlamento aprovou ontem, dia 12, a reintegração de Mação no Médio Tejo (NUT III - unidade territorial para fins estatísticos) deixando de pertencer à sub-região do Pinhal Interior Sul, onde era o único concelho do distrito de Santarém.
Os projectos de lei apresentados pelo PSD, BE, CDU e CDS-PP em defesa desta transferência foram aprovados por unanimidade.
Saldanha Rocha, presidente da Câmara de Mação, disse à agência Lusa que este “é um dia feliz”, que “vem trazer mais tranquilidade ao dia a dia das pessoas em áreas tão delicadas como a saúde, a justiça ou a educação”.
A sub-região do Médio Tejo passa a ser constituída por 11 municípios: Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

Parlamento aprova reintegração de Mação no Médio Tejo
http://www.radiopernes.pt/spock/sem-o-ps-partidos-defendem-reintegracao-de-macao-no-medio-tejo/

Astronomia 2010




Pesquisadores do Instituto Max Planck de Astronomia, na Alemanha, conseguiram, pela primeira vez, fazer uma simulação em 3D da "morte" de estrelas, horas depois da ocorrência. Estrelas massivas terminam sua existência no Universo em um fenômeno chamado supernova, explosões que podem resultar em um brilho tão forte que pode ser maior que o de toda uma galáxia, formada por bilhões de estrelas, durante alguns momentos.
A simulação computadorizada ilustrada acima mostra a supernova apenas 0,5 segundos depois do início da explosão. A superfície azulada, praticamente transparente, mostra a região entre o choque e a atmosfera. (Foto: Divulgação)
http://noticias.r7.com/noticias.html

Tomar 2010

live!


recycling




“Quando é que vais começar a reduzir a quantidade de lixo que produzes, e começar a reciclar”

Consumir menos para produzir menos lixo começa por ser o primeiro passo!

closed hart!

Boom 2010

BOOM 2010: CELEBRATE NOW. WE ARE HERE, WE ARE NOW, WE ARE ALL ONE.
From a small tribe in Ethiopia that trekked across the Planet to Greek democracy; from Buddha and Christ to modernity’s promise of utopia – mankind has been epitomized by a series of grand narratives, each evolving beyond the one that came before.

Transition was not always easy. Even when we regressed - bubonic plagues, the dark hour of the medieval age - there was always the unspoken assumption that we will persist…
Then after the Holocaust and Hiroshima freedom came in the 1960s as a bird that brought peace and love, community and sharing, art and the hope that the world could change.
And just as our spiritual house was beginning to spread throughout the tribes of the world, ocean levels rose, glaciers melted, animals became extinct…
Human adventure is reaching its climax: we are in peak oil, peak water, peak food, peak exploitation, peak speculation, even… peak time.
So we must build a new era. We are in the peak of need for an era of universal culture, where boundaries are dissolved and hyper-connected people transform the idea of time and space.

Boom Festival. We are all one in the universal culture. We have been living the new era when the tribes gather together every two years in the August full moon.
Thousands of people from around the world discover themselves through integral expressions of awareness, knowledge and joy. Together we manifest a new peak... the peak of collective consciousness, the peak for change.

X-OP


05 » MAIO » Quarta-feira __ TOMAR
Local: IPT, Edifício da Cândido Madureira Av. Cândido Madureira, n.º13 _ Sala 2.6
10.00 - 17.00 » Workshop MUTOPIA 6 por John Grzinich e Tero Nauha (Estónia e Finlândia)
Sala 2.7
10.00 - 14.00 » Workshop SOCIAL PRACTICE IN ART por Andreja Kulunčić e Ivo Martinovic (Croácia)
Sala 1.1
17.30 - 18.30 » Apresentação do video e discussão por Taidekoulu MAA Study – group (Finlândia)
18.30 - 19.00 » Conferência/apresentação MONO-, MULTI- AND INTERMEDIA ART por Peter Tomaz Dobrila (Eslovénia)
19.00 - 19.30 » conferência/apresentação THE ADMIRABLE CONFRONTATION OF THE ROMAN CATHOLIC CHURCH WITH TIME:
A SHORT WALK THROUGH THE GENESIS OF THE FORMS OF THE CATHOLIC SANCTUARY TO BRING FORTH THE IDEAS FOR ITS
FUTURE APPEARANCE por Renske Svetlin (Eslovénia)
20.00 - 21.00 » Jantar
Sala 1.2
21.00 - 22.00 » Inauguração de exposições AFTER CURATORIAL DINNER por Petra Kapš com John Grzinich, Anna Hints, Riho Kall, Erkki Luuk, Patrick McGinley, Evelyn Müürsepp, Toomas Thetloff (Estónia)
-----
Local: Theatro bar , Rua Infantaria 15
22.00 - 23.00 » Performance BYZANTINE CADILLAC: audio visual cabaret por Cameron Bobro e Peter Tomaz Dobrila (Eslovénia)

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
06 » MAIO » Quinta-feira __ TOMAR
Local: IPT, Edifício da Cândido Madureira Av. Cândido Madureira, n.º13 _ Sala 2.6
10.00 - 17.00 » Workshop MUTOPIA 6 por John Grzinich e Tero Nauha (Estónia e Finlândia)
Sala 1.1
17.30 - 18.30 » Conferência/apresentação DRAWING por Polona Maher e Petra Varl (Eslovénia)
19.00 - 20.30 » DIE GEGENWART IST NICHT DIE WIRKLICHKEIT/ PRESENT DOESN'T EQUAL REALITY por Media in Motion (Alemanha)
21.00 » Jantar
Sala 1.2
AFTER CURATORIAL DINNER por Petra Kapš (projecto curatorial com artistas locais e parceiros x-op)

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
07 » MAIO » Sexta-feira __ TOMAR
Local: IPT, Edifício da Cândido Madureira Av. Cândido Madureira, n.º13 _ Sala 2.6
10.00 - 17.00 » Workshop MUTOPIA 6 por John Grzinich e Tero Nauha (Estónia e Finlândia)

bella naturaleza!

"O cientista não estuda a natureza porque isso seja útil; estuda-a porque
se compraz nisso e tem prazer nisso, porque ela é bela. Se a natureza não
fosse bela, não valeria a pena conhecê-la, e se não valesse a pena
conhecer a natureza não valeria a pena viver a vida. Claro que aqui não
falo de beleza que alcança os sentidos, a beleza das qualidades e das
aparências; não que eu desvalorize essa beleza, longe disso, mas não tem
nada a ver com ciência. Refiro-me a uma beleza mais profunda, que vem da
ordem harmoniosa das partes e que a inteligência pura pode alcançar".
(Henri Poincaré)

IN Simon Singh - "Big Bang", Ciência Aberta, 183, gradiva. Um livro que
recomendo.
in Geopor.